terça-feira, 27 de janeiro de 2015

[Turismando] em Roma #2

A segunda parte do [Turismando] em Roma diz respeito a uma atração que não pode faltar em roteiro algum: o Vaticano e, mais especificamente, a Capela Sistina. E digo isso mesmo se você não for católico. O Museu do Vaticano está entre os mais lindos que já vi na vida, se não for o mais lindo, e concentra as mais importantes obras de arte. Confia em mim: vale a pena dedicar algumas horas para essa atração!


Vaticano
É uma loucura pensar que Roma abriga, em seu interior, um país que possui suas próprias leis. O Vaticano, é o menor estado do mundo e totalmente independente da Europa. Localiza-se no bairro do Prati, possui 836 habitantes e 44 hectares delimitados por grandes muralhas. Ali dentro encontram-se também a praça e Basílica de San Pietro, um complexo com diversos museus, conhecidos como Musei Vaticani, ou Museus do Vaticano (cuja origem remonta ao século XVI, quando o Papa Júlio II começou a colecionar esculturas).

 

Basílica de São Pedro 
A Basílica de São Pedro é onde o Papa aparece para cumprimentar os fiéis e turistas de todo o mundo. Eu visitei o Vaticano em uma quarta-feira de manhã e tive a oportunidade de ver o Papa discursando aos seus fiéis e acenando do seu Papamóvel. Nos dias em que ele aparece, torna-se também mais difícil o acesso aos museus, devido à legião de fiéis aglomerados em todos os espaços.


A Basílica é a maior igreja do mundo com uma área de 23.000 m² e recebe mais de 60.000 pessoas, sendo considerada um dos lugares mais sagrados do Cristianismo. A igreja abriga o túmulo de São Pedro embaixo do altar principal. Muitos dos outros papas também estão enterrados ali, inclusive João Paulo II, o mais visitado e adorado até hoje.

Sua construção começou em 1506 e terminou em 1626 e se deu, em parte, com o dinheiro obtido pela venda de indulgências. Foi construída no mesmo lugar onde São Pedro, um dos apóstolos de Jesus Cristo, o 1º Papa, foi crucificado ou queimado.
 

A Praça de São Pedro é aquela bem em frente à Basílica de São Pedro e foi projetada por Bernini no século XVII, tendo como base o estilo clássico, e também o barroco. Ao centro, existe um obelisco do Antigo Egito, de 40 m de altura, incluindo a base e a cruz do séc. XIII a.C., e foi trazido para Roma no reinado do imperador Nero


Museu do Vaticano
O museu é um dos mais importantes do mundo e divide-se por coleções de obras dos maiores artistas. São inúmeras, enormes e maravilhosas salas. E a principal fica mais no final da visita: a Capela Sistina, restaurada, para apreciar as maravilhas de afrescos como o "Último Julgamento" de Michelangelo. Lotada, e totalmente imperdível! Nessa sala, muitos guardas tentam limitar o numero de fotos e o uso do flash (que prejudica as obras), então é bom ficar atento e desligar o dispositivo para não sentir a "delicadeza" italiana retumbando bem no fundo dos ouvidos. 


No interior do museu, existem galerias dedicadas aos mais diversos estilos: arte etrusca, egípcia, uma seção dedicada a tapeçarias dos séculos XV ao XVII, um conjunto de quatro salas decoradas por Rafael (incluindo a clássica pintura Escola de Atenas) e outros pequenos museus históricos e etnológicos. 

Mas entre as partes mais significativas, a mais linda delas é mesmo a Capela Sistina, cujos fantásticos afrescos no teto, retratando cenas do Gênese, foram pintados por Michelangelo entre 1508 e 1512. A beleza é tamanha que as pinturas das paredes laterais, feitas por mestres como Ghirlandaio e Botticelli, podem passar despercebidas. Lá estão os mais famosos afrescos de Michelangelo, como"A Criação de Adão". Na parede do fundo, um Jesus e a ira do Juízo Final.


Prepare-se para sair de lá com o pescoço duro, pois os afrescos do teto são simplesmente hipnotizantes! E tome cuidado para não trombar com outros turistas igualmente abobados. Além disso, esse é o lugar onde conclaves se reúnem para a eleição do novos papas. As imagens presentes nesse espaço valem todo o esforço para se chegar ao Vaticano: filas intermináveis, multidões de fiéis e os preços dos ingressos. É simplesmente magico!
 
Galeria dos Mapas é um longo corredor, decorado nas paredes e teto por cerca de 40 mapas produzidos por Ignazio Danti, representando os Estados Papais.


As Salas de Rafael surgiram quando o mestre renascentista Rafael Sanzio foi incumbido pelo papa Júlio II da redecoração de quatro aposentos. Entre os afrescos destaca-se A Escola de Atenas, de 1511, que mostra uma cena onde estão retratados filósofos como Aristóteles, Platão, Diógenes e Sócrates.

 


Para nao enfrentar as filas enormes para visitar o Vaticano, é possível comprar entradas para visitas guiadas pelo site Rome Museum. N
o último domingo do mês, a entrada é gratuita, dia em que museu abre excepcionalmente até as 12h30. É possível também comprar o ingresso na bilheteria do Museu ou online, clicando aqui. Existe também um tour VIP diário, pelo dobro do preço, para poucos participantes, em que é possível conhecer a Capela Sistina sem um mar de turistas (a entrada desse tour é liberada 15 minutos antes da entrada do restante do público). 

Para ver a primeira parte de [Turismando] em Roma, clica aqui.

6 comentários:

  1. Adorei o post! Eu tbm vou turistar em Roma! Rs Só que em abril! Alguém pode me indicar um bom seguro viagem? Obrigada e bjs, Bárbara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana, Bárbara! Espero que as dicas sejam úteis!
      Eu viajei apenas com o seguro B2, que é o seguro de saúde gratuito e obrigatório.
      Bjos!

      Excluir
  2. To indo esse ano tbm! Em março! Adorei as fotos! Bárbara, seguro eu contratei o da www.touristcard.com.br Apresentei um cupom (tourist15) e ganhei um desconto. Acho que ainda está valendo. Tenta lá. Bjs meninas. Adriana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela dica, Adriana! E boa viagem!!
      Bjos!

      Excluir