Como tudo começou

Aos 14 anos eu pouco sabia sobre a minha descendência italiana, mas meu irmão mais velho, Leandro, já tinha muito interesse em desvendar nossas origens. Sabíamos apenas que nosso avô paterno havia vindo da Sardenha para Minas Gerais em um navio. Não sabíamos de qual cidade ele era, em que ano veio e quem da família o acompanhou ou permaneceu por lá.

Eu estava na oitava serie do Colégio Municipal Marconi, em Belo Horizonte, e sabia que no ano seguinte poderia me candidatar ao curso de italiano oferecido pela Fundação Torino e, aconselhada pelo Leandro não perdi o prazo de inscrição. Em 1999 fiz a entrevista com os professores da Fundação e fui aprovada, o que significava que do primeiro ao terceiro ano do segundo grau eu teria aula e material de italiano gratuito e, após, eu poderia terminar o curso na própria Fundação com 50% de desconto. Nos três primeiros anos, as aulas aconteceram uma vez por semana após as aulas da escola em uma turma de cerca 15 alunos.

Nessa mesma época, dei entrada no meu pedido de cidadania no Consulado Italiano de Belo Horizonte e também do meu irmão Bruno. Meu irmão, Leandro, já havia conseguido a sua meses antes, mas na nossa vez a lei foi suspensa e o consulado parou de fornecer cidadanias.

Não que, aos 15 anos, eu tivesse muita motivação em aprender um idioma que não sabia bem pra que serviria, mas quando vi que eu era capaz de me comunicar com pessoas do outro lado do mundo, através do falecido ICQ, em um idioma que eu aprendia pouco a pouco, e ser compreendida, estabelecer laços de amizade e ganhar vocabulário, eu encontrei a empolgação que precisava para dar continuidade ao curso após o termino do terceiro ano.



Daí foram mais dois anos estudando todos os sábados em Nova Lima. Nova atmosfera, novos professores, novos colegas e com a amizade fortalecida com os colegas marconianos de antes: Daniela, Xenia e Pedro, os únicos da turma de antes que, junto a mim, seguiram com os estudos na Fundação. Os planos eram os mesmos da época de Marconi: conhecermos juntos a Itália, colocarmos em pratica tudo o que aprendemos e ver ao vivo todos os lugares que todos esses anos fizeram parte de nossos estudos.
Em dezembro de 2003 nos formamos. O Pedro foi o primeiro a colocar o plano em prática e fez um intercâmbio de seis meses pela UFMG na Universidade de Bologna, deixando todas nós pra trás. (Snif) 

Em 2006, pela primeira vez, consegui um trabalho devido ao fato de ser fluente no italiano. No evento do Banco Internacional de Desenvolvimento (BID), fiquei no stand da Tim para dar suporte aos vendedores. E foi lá que, atendendo um dos pouquíssimos italianos que apareceram nos dez dias de evento, contei que pensava em estudar na Itália e recebi um cartão da Università Cattolica Del Sacro Cuore de um funcionário da universidade que participava da reunião. Lembro de ter pesquisado sobre graduação, mas o processo era tão complicado que cheguei a conclusão que era melhor me formar por aqui mesmo. 

Dani, Xenia e eu continuamos com o planejamento de roteiro e arrecadação de fundos. Mas vida de estudante não é fácil e o salário de estagiário não dava pra nada. Acabamos nos formando na universidade sem dinheiro nenhum para conhecer a Itália (No meu caso, não dava pra chegar nem ao Espírito Santo!).

A Xenia conseguiu juntar o dindin, se rendeu à vida prática e comprou um carro. A Dani passou em concurso público, foi morar no Rio de Janeiro e estava prestes a ter o dinheiro da viagem. Eu não tinha nada, apesar de formada em Jornalismo, eu ganhava ainda como estagiária e não via muita perspectiva na carreira. Por mais eu gostasse de ser jornalista em BH, eu sempre tive consciência de que não teria dinheiro. E como eu iria pra Italia sem dinheiro com o Euro cada vez mais valorizado?
Comecei a pensar então em outras alternativas. Foi quando, em 2007, eu soube que o Governo Italiano estava oferecendo bolsas de estudo para mestrado e doutorado. Lembrei-me do italiano que havia conhecido no BID, entrei no site da Cattolica e escolhi um master como meu preferido. Decidi que pediria a bolsa do Governo Italiano para aquele curso. Li e traduzi milhares de linhas, preparei toda a documentação, enviei ao Consulado Italiano e nada. Quando a lista de aprovados foi divulgada, meu nome não estava entre eles.

No ano seguinte fiz o mesmo e acrescentei as cartas de indicação dos meus professores de faculdade, traduzidas e assinadas. Ainda assim: nada, eu não estava na lista de aprovados mais uma vez.

Continuei meus planos com a Dani, juntaríamos dinheiro e com bolsa ou sem bolsa eu conheceria a Itália em 2009. Havíamos nos dado o prazo de maio de 2009 para conseguir todo o dinheiro. Já era meados de 2008 e meu dinheiro não dava nem pras contas do mês. Eu colocava cerca de 20 % do meu salário no Augusto, meu porquinho rosa, mas no fundo sabia, que o que ele tinha dentro não me levaria nem à Bahia.

Eu precisava de algo maior. Planos mais ambiciosos, mudança de carreira, novos empreendimentos. Vendi bijouterias, comecei a estudar pra concurso, fiz uma entrevista de emprego por mês em 2008, peguei trabalhos freelas, deixei de sair algumas vezes para trabalhar no fim de semana... Enfim, busquei novas soluções, mas o Euro só subia e o Augusto só emagrecia (passando por um golpe no Carnaval em Mucuri e por uma operação de reconstrução do estomago após uma viagem ao Rio com a Xenia para conhecer a nova casa da Dani - pobre Augusto, além de pobre, agora também debilitado).

Foi quando uma nova noticia lida na internet me animou: A Università Cattolica Del Sacro Cuore, junto com a Câmara do Comercio de Milão, estava oferecendo bolsas de estudos para cursos de master para profissões em que há defasagem de profissionais em Milão e, dentre eles, havia três ou quatro cursos de comunicação.

E minha história só estava começando a mudar...


23 comentários:

  1. Oioioi...
    E aí, tudo bem?

    Então guria, eu morava em Milão também, mas estudei no Polimi...
    To pensando em voltar pra fazer um master quando terminar minha pós aqui, e vi que fez na Sacro Cuore. É boa? Como é o esquema? Tem bolsa?
    Me contaaaaaaaa!

    Beijoooooooooooooos.

    ResponderExcluir
  2. Oie! A Cattolica é muito boa sim, mas depende da sua área. Qual é?
    Eu consegui bolsa e geralmente estrangeiro tem preferencia...
    Da uma pesquisada no site deles ;)
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Cris adorei teu blog!!! estive na Itália ano passado e pretendo voltar ano que vem! parabéns pelo blog!! :) beijo

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Caroline!! Volte sempre e boa sorte! :) Bjos

    ResponderExcluir
  5. Oie, só agora entrei aqui e vi sua resposta.

    Então, eu sou designer e faço pós em mkt aqui.
    Pensei em fazer algo do tipo, gestão essas coisas.
    Dei uma olhada no site e tinha uma que achei interessante, principalmente pelo preço, que comparado às outras escolas, é baixíssimo. Hehe

    E eles são legais com estrangeiros? Tipo facilitam ou embaçam? Porque né, tipo IED e Marangoni cobram a mais para nós...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. A Cattolica tem um programa de divulgaçao no exterior muito bom e està sempre presente nas feiras no Brasil. O que mostra que eles sao bem antenados a buscar estudantes de fora. O preço para estrangeiros é o mesmo e vc pode tentar pedir bolsa.
    Boa sorte ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Cris, que história linda a tua, quanta determinaçao menina...é a história da formiguinha!!!
    Conhecendo só essa partezinha já dá pra ver a grande pessoa que tu eres!!
    Beijos
    Mônica
    barcelonamiamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. que historia!
    gostei um bocado!
    =D
    vou te acompanhar
    ja esta no meu leitor de fedds
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Cris! te conheci pelo blog da Lu, chata de galocha! Adorei a história e li posts de ate 01 ano atras! Tb sou jornalista mas covardemente desisti da profissão, quando vi que recebia o mesmo q a domestica da minha mãe e nada mudava nunca, migrei para a area de petroleo,não cresci muito sou apenas ass do diretor e ponho algumas coisas de jor em prática. Mas me proporcionou um sonho tb conhecer: Londres, amsterdan, paris....Vou te seguir! bjks
    Ahh fiquei passada quando li do assalto! achei q aí nao tinha dessas coisas! sou do Rio thau!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bia! Se você falar inglês poderia investir na carreira de Cruzeiros. Poderia ser uma excelente Guest Relation Manager. É PUXADO mas se viaja muito e se conhece lugares incríveis. Demonstrando um bom trabalho através de seu profissionalismo e fazendo as justas amizades vc vai ter muito sucesso. É fundamental termos os contactos certos. Fundamental pensar positivo e manter bem distante gente baixo astral e acomodada! Seu "Augusto" vai vir até você, naturalmente, quando estiver no lugar certo. Deus faz tudo de acordo.Sucesso!

      Excluir
  10. Gostei da sua história, Cris. Lembra um pouco a minha.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito da sua história, do blog e das dicas maravilhosas!
    Vou acompanhar muito :)

    ResponderExcluir
  12. Cris,fiquei mais motivada quando li a sua história, quero muito conseguir uma bolsa de mestrado na área de design em Milão, vou começar o curso de italiano e e estou muito determinada em aprender. Detalhe também estou tentando encher o meu "Augusto" . Você está morando em Milão? Como é, custo de vida as pessoas? Você tinha muita experiência no seu currículo quando conseguiu a bolsa? Me conta tudo Crisss, bjsss.

    ResponderExcluir
  13. Obrigada, Muller!
    Jussara, da uma olhadinha nsa tags "estudo master universidade" e "viver na italia", acho que vc ja vai encontrar mtas respostas pra essas perguntas e continue acompanhando o blog que eu to preparando mais posts com todas as dicas pra quem quer vir estudar aqui! ;)
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  14. seu blog é maravilhoso! te mandei um email =)
    você tem twitter?
    beijos!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Olá Cris!
    Muito legal o seu post. Moro em BH e pretendo iniciar um curso de Italiano na Fundação Torino. Poderia me passar mais informações? Gostaria de saber sobre a dinâmica das aulas, são 100% em Italiano?

    Obrigado e boa sorte em sua Jornada!

    ResponderExcluir
  17. Complimenti!
    Molto bella la tua storia. Sei molto giovane! é solo l' inizio e sono sicura che ne avrai ancora tante cose belle da raccontare. Lo sai che anch'io vinsi la borsa del Marconi nel 1996. Finiti i 3 anni andai a studiare alla Fondazione. Nel 2002 ho vinto una borsa per un corso di laurea a Siena dove sono, grazie a Dio, grazie alla opportunità del governo italiano tramite la Fondazione e alle porte che l'Italiano hanno aperto, da 11 anni.
    É proprio vero che la vita ci sorprende ma, secondo me, gli avvenimenti della nostra vita sono solo conseguenza delle nostre azioni. La motivazione in realizzare i sogni é quello che ci muove. La sorpresa é solo un piccolo dettaglio...in verità é Dio l' artefice di tutte le cose..
    Dio ti benedica e metta sempre coraggio nel tuo cuore. Che Egli ti faccia rinnovare sogni ogni giorno e che la tua motivazione resista anche davanti alla sfida più paurosa. Ricordati che Dio é con te! Sei una guerriera e non devi mollare mai!
    Abbraccio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grazie mille, Jaque! Sembra che ci siano un sacco di cose in comune nella nostra storia, vero? Mi ha fatto molto piacere leggere il tuo commento.
      Ti auguro molto successo nella tua vita! Baci

      Excluir
  18. Nossa que garra que vc tem! Meus parabéns!
    Tbm moro na Italia,tbm faço faculdade aqui, tbm fiz pedido de bolsa sem conseguir e tbm tenho um blog!:)
    Vou te seguir!

    Deixo o link do meu blog caso vc queira conhecer:
    http://priscilaitaly.blogspot.it/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Priscila! Quanta coisa em comum! Seja bem vinda!
      Obrigada! Bjos

      Excluir
  19. Olá! Você poderia me ajudar por qual caminho percorrer e a quem recorrer para conseguir uma bolsa de estudos para meu filho ainda pequenino, mas quetem descendência paterna, e registrado também na Itália, mesmo tendo nascido aqui em Belo Horizonte. Acho que como você, ele tem o direito a vivenciar e aprender sobre seu outro país, porém os valores das mensalidades estão muito a quem do que disponho no momento, mas que vindo de um país do primeiro mundo e que presa por uma boa educação, ele não pode ser barrado simplesmente por eu não ter condição de pagar um valor tão alto de mensalidade, em meio que na própria Itália, os melhores colégios são públicos. Concorda comigo? Se puder contribuir para minha maratona para que meu filho Filippo tenha bons estudos , agradeço desde já! Cristiane

    ResponderExcluir
  20. Cristina, tudo bem? Estou pesquisando um MBA em Milão e encontrei seu blog. Até agora vi que você é mineira (eu também) e conhece Mucuri (morei lá até os 15 anos!!!!!) que mundinho que pequeno. Então, estou procurando apartamento pra alugar e o mais em conta até agora está por 1mil euros mensais. Devo chegar em outubro. Queria saber mais umas dicas sobre a vida na cidade... vou te mandar um email! Beijos

    ResponderExcluir